Mary Lyrio


marydauto@yahoo.com.br
marydtlyrio@gmail.com

COMENTÁRIOS

Re:TUTY E MAKEUP DEBUTANTE

Mary Lyrio 28/08/2016
Paulo, quando eu notei a conversa entre você e a minha irmã mais nova, na área de comentários, já tinham se passado alguns dias. Então, decidi colocar uma mensagem para você em uma futura postagem, para garantir uma maior visibilidade do que eu gostaria de te dizer.
Infelizmente, afastei-me por um bom tempo do blog. Além disso, quando retornei, supondo que a minha próxima postagem terá uma visibilidade maior, decidi esperar mais um pouco para registrar o que gostaria de dizer sobre o que ocorreu.
Achei que só assim poderia tentar me desculpar com você (leitor, comentarista e incentivador ativo mais antigo deste blog, por minha memória). E para quem eu não havia ainda enviado nenhuma mensagem até hoje. No entanto, agora percebo que errei, pois passou tempo demais e, se o que a minha irmã disse pode até ser perdoado, não o poderá ser o meu silêncio por tanto tempo.
Paulo, a sua conclusão para o que ocorreu faz todo o sentido. No entanto, você se esqueceu de que este é um espaço repleto de eventos inesperados e até inexplicáveis. O que deve ser levado em consideração para ajudar a entender o comportamento de algumas pessoas.
Entre as diversas reações dos leitores do blog que chegam até mim, eu gostaria de te destacar duas: a suspeita de que eu não existo para alguns que não me conhecem, ou, a crença de que os leitores não existem para alguns que me conhecem, (sim, existem também aqueles que acham que tanto eu como os leitores não existem... é... hmmm... talvez... quem sabe?)
Eu tenho muitos desentendimentos com a minha irmã, principalmente motivados por ciúme em relação à minha mãe, mas ela não trata as pessoas da forma ríspida e grosseira como ela fez com você. Para ela, o Paulo do blog, assim como todos os outros leitores, sou eu. E o fato de você falar que não mora na capital do Estado foi só uma desculpa, para a impossibilidade real de se encontrar com ela.
Antes, isso tudo me deixava chateada, hoje, não mais, pois cheguei à conclusão de que devem achar então que sou a reencarnação do “Fernando Pessoa”!