Mary Lyrio


marydauto@yahoo.com.br
marydtlyrio@gmail.com

TOM E SUBTOM DA PELE

08/06/2015 23:44

                             

Dando continuidade à série,  pré-requisitos para elaboração de uma perfeita maquiagem, irei falar de duas características da pele, tom e subtom, que a meu ver são muito importantes na maquiagem, pois as mesmas são fundamentais para determinar as cores dos produtos que melhor se harmonizam com a cor da sua pele. Click no link: 

Nesta postagem, o nosso foco será a análise do tom e do subtom da pele, para o específico objetivo da escolha da base correta. 

 

 COR DA PELE

A cor da pele é branca, marrom ou preta. A pigmentação da pele é decorrente da atividade dos melanócitos, que são as células responsáveis pela produção de melanina, pigmento que dá cor à pele. Quando a produção de melanina é muito baixa, a cor é muito clara. À medida que a produção de melanina aumenta, a pele fica mais escura. Além de conferir pigmentação à pele, a melanina também a protege da incidência dos raios solares. O fato da atividade dos melanócitos aumentar quando a pele é exposta ao sol auxilia esse mecanismo de proteção natural.  As pessoas de pele muito branca sofrem mais com a ação dos raios solares, ficando com a pele avermelhada (queimadas), devido à baixa quantidade de melanina. Já as pessoas de pele mais escuras, quando expostas ao sol, sofrem menos com a ação dos raios solares, ficando com a pele dourada (bronzeada).

 

ESCALA TONAL

É a variação de claro à escuro que a cor da pele pode ter. As peles branca, marrom (convencionalmente denominada de morena) ou preta, a depender da quantidade de melanina produzida apresentam uma variação tonal sobre a própria cor. Como por exemplo, a pele branca pode ser muito branca, branca ou média branca.

 

MUITO BRANCA               BRANCA                          MÉDIA BRANCA 

 

SUBTOM  DA PELE

É a cor que está abaixo da epiderme e não tem relação necessária com a etnia da pessoa. O subtom pode ser rosado, neutro ou amarelado. 

Muitas pessoas têm dificuldade na determinação do subtom da sua pele, porque existem algumas teorias relacionadas ao círculo cromático ou à teoria sazonal das cores que classificam a pele em quente ou fria a depender do subtom que ela possua. Uma grande confusão ocorre porque não há padronização do que seja quente ou frio, para alguns o rosa e o amarelo são quentes ou frios a depender da tonalidade que se apresentem, outros dizem que o rosa é frio e o amarelo é quente, e existem aqueles que além de declarar que o rosa e o amarelo são quentes, qualificam o verde e o azul como cores de subtons frios. Entretanto é sabido que não existem pessoas com subtom azulado ou esverdeado. 

  SUBTOM BEGE             SUBTOM ROSA        SUBTOM AMARELO

SUBTONS ROSA      

 
 

                 SUBTONS AMARELOS        

  

                    SUBTONS BEGE  

 
 

QUAL O SUBTOM QUE A BASE DEVE TER?

                                                           

Resposta: o exato subtom da sua pele.

A função da base é oferecer uma cobertura à pele, uniformizando a cor e deixando-a com uma aparência mais natural possível, desta forma a base tem que ser do mesmo subtom da pele.

Algumas pessoas acreditam que a base deve ser utilizada para neutralizar o subtom da pele, ou seja, se a pele é rosa usando uma base amarela o subtom ficaria neutro. Mas isso é um grande erro, pois a base só oferece uma cobertura. Se você usá-la com tom e subtom inadequados para sua pele isso ficará evidenciado. Quem tem esse papel de corrigir, neutralizando a cor, como, por exemplo, o roxo de uma olheira, é o corretivo, que neste caso deve-se usar o amarelo, respeitando a regra das cores complementares.

A única maneira de ampliar a função da base, para além da cobertura básica, sem prejuízos ao resultado final, é variar um pouco a escala tonal. Já o subtom, como regra geral, não deve ser alterado.

 

COMO IDENTIFICAR O SUBTOM DA PELE

O subtom da base é o subtom da sua pele e o subtom da sua pele é o subtom da base.

Ou seja, a cor do subtom da pele e da base devem se fundir, perfeitamente.

Mais importante do que conseguir dar um nome ao seu subtom (ou estudar fanaticamente uma metodologia para identificá-lo) é testar a base no rosto e exercitar a visão.

Observando bem a sua pele e as bases que você for testando de mesma tonalidade, mas de subtons diferentes, você começará a distinguir as cores do subtom: rosa, amarelo e neutro.

Desta forma, na hora de escolher o subtom da base, o que importa é saber (enxergar) se o subtom da pele é rosado, amarelado ou neutro e não se a pele é quente ou fria, estival ou hibernal, etc.

A melhor forma para tentar identificar é ficar sem maquiagem em frente ao espelho, de preferência com uma luminosidade natural e observar qual a cor que você vê abaixo da epiderme. As pessoas com subtom rosa, parecem ter a epiderme transparente ou mais fina, pois é possível observar uma tonalidade rosada abaixo da pele, mas não se pode confundir essa tonalidade com manchas sobre a pele. Já as pessoas com pele amarelada, a epiderme tende a uma cor toda uniforme, um tipo de amarelo dourado e quando a epiderme apresenta tonalidade puxando para o bege, entre o rosa e o amarelo, o subtom é neutro.

 
 

A TORRE DE BABEL

 

Estilistas, maquiadores, cabeleireiros, estudiosos das cores e as grandes companhias não se entendem quando o assunto é classificar as cores.

Entre os estudiosos das cores, é amplamente aceita a divisão do círculo das cores entre as quentes e as frias. Entretanto, ainda há muita polêmica sobre qual a cor que deveria ocupar o topo da escala entre as cores quentes.

A MAC não teve dúvidas em considerar o rosa a cor mais quente entre as quentes, pois está mais próximo ao vermelho e o amarelo a cor mais fria entre as cores quentes.  Por isso, a pele com cores de subtom mais rosados é quente (W ou NW), já a pele de subtom mais próximo do amarelo é fria (C ou NC), apesar das duas cores serem quentes.

       

Outras empresas, seguem os teóricos da cor que consideram o amarelo / laranja a cor mais quente entre as quentes. Por isso, para estas marcas, quem tem subtom amarelo tem pele quente, e quem tem subtom vermelho ou rosado tem pele fria, apesar das duas cores serem quentes.

Paralelamente às classificações acima, existem teorias muito utilizadas no universo da moda, que, baseando-se nas cores, realizam analogias entre as pessoas e fenômenos naturais. Em muitas dessas análises, o tom e o subtom da pele são os aspectos mais relevantes para a classificação, seguidos pelo cabelo e olhos. Destacam-se entre estas teorias, por serem as mais numerosas, as que associam as pessoas às estações do ano e também classificam a pele em quente ou fria pela sua cor.

Muitas dessas teorias adotam uma círculo de cores diferente da tradicional roda de cores de Newton, o que acaba gerando muita confusão para o leitor novato no assunto.

Essas teorias sazonais da cor possuem várias variantes e as mesmas são divergentes entre si.

Em uma dessas correntes o amarelo, o laranja e o vermelho compõem o semi-círculo das cores quentes, sendo as pessoas com subtons amarelados classificadas de estivais (verão) e as com subtons alaranjados denominadas de primaveris (primavera).

Ainda segundo essa interpretação, as cores verde, azul, roxo e rosa são frias, assim, as pessoas com subtons azulados são outonais (outono) e as com subtons rosados são hibernais (inverno), como pode ser visto na  ilustração abaixo.

       

Em uma segunda concepção da teoria sazonal, o rosa, azul e verde são cores frias, e as pessoas com subtons rosados podem ser hibernais (tonalidades mais escuras) ou estivais (tonalidades mais claras).

O vermelho, laranja e amarelo seriam cores quentes e as pessoas com subtons amarelados podem ser primaveris (tonalidades mais claras) ou outonais (tonalidades mais escuras), como pode ser observado gráfico.

            
 

Em termos de teorias sazonais da cor, as divergências são ainda maiores do que as apontadas aqui. Mas isso, por si só, não desqualifica os interessantes estudos que são feitos no âmbito destas teorias que buscam analisar o padrão mais geral das cores de uma pessoa.

Apesar das interessantes questões que esses e outros estudos apresentam para a maquiagem, acredito que, para efeito de escolha do subtom correto da base, o menos é mais. E o grande segredo é confiar mais naquilo que você vê do que entende.